24/03/2019


3º DOMINGO DA QUARESMA ANO C

3ª SEMANA DO SALTÉRIO.

Missa: Credo, Prefácio Quaresmal I

Aclamação ao Evangelho
Glória e louvor a vós, ó Cristo.

Convertei-nos, nos diz o Senhor,
porque o Reino dos céus está perto.


EVANGELHO


Se vós não vos converterdes,
ireis morrer todos do mesmo modo.


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 13,1-9
Naquele tempo, vieram algumas pessoas
trazendo notícias a Jesus
a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado,
misturando seu sangue com o dos sacrifícios que
ofereciam.
Jesus lhes respondeu:
'Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores
do que todos os outros galileus,
por terem sofrido tal coisa?
Eu vos digo que não.
Mas se vós não vos converterdes,
ireis morrer todos do mesmo modo.
E aqueles dezoito que morreram,
quando a torre de Siloé caiu sobre eles?
Pensais que eram mais culpados
do que todos os outros moradores de Jerusalém?
Eu vos digo que não.
Mas, se não vos converterdes,
ireis morrer todos do mesmo modo.'
E Jesus contou esta parábola:
'Certo homem tinha uma figueira
plantada na sua vinha.
Foi até ela procurar figos e não encontrou.
Então disse ao vinhateiro:
'Já faz três anos que venho procurando figos nesta
figueira e nada encontro.
Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?'
Ele, porém, respondeu:
'Senhor, deixa a figueira ainda este ano.
Vou cavar em volta dela e colocar adubo.
Pode ser que venha a dar fruto.
Se não der, então tu a cortarás.'
Palavra da Salvação.

PRIMEIRA LEITURA

O 'Eu sou' enviou-me a vós.


Leitura do Livro do Êxodo 3,1-8a.13-15
Naqueles dias:
Moisés apascentava o rebanho de Jetro, seu sogro,
sacerdote de Madiã.
Levou um dia, o rebanho deserto adentro
e chegou ao monte de Deus, o Horeb.
Apareceu-lhe o anjo do Senhor numa chama de fogo,
do meio de uma sarça.
Moisés notou que a sarça estava em chamas,
mas não se consumia, e disse consigo:
'Vou aproximar-se desta visão extraordinária,
para ver porque a sarça não se consome'.
O Senhor viu que Moisés se aproximava para observar
e chamou-o do meio da sarça, dizendo: 'Moisés! Moisés!'
Ele respondeu: 'Aqui estou'.
E Deus disse: 'Não te aproximes!
Tira as sandálias dos pés,
porque o lugar onde estás é uma terra santa'.
E acrescentou:
'Eu sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão,
o Deus de Isaac e o Deus de Jacó'.
Moisés cobriu o rosto, pois temia olhar para Deus.
E o Senhor lhe disse: 'Eu vi a aflição do meu povo
que está no Egito e ouvi o seu clamor
por causa da dureza de seus opressores.
Sim, conheço os seus sofrimentos.
Desci para libertá-los das mãos dos egípcios,
e fazê-los sair daquele país
para uma terra boa e espaçosa,
uma terra onde corre leite e mel.
Moisés disse a Deus:
'Sim, eu irei aos filhos de Israel e lhes direi:
'O Deus de vossos pais enviou-me a vós'.
Mas, se eles perguntarem:
'Qual é o seu nome?' o que lhes devo responder?'
Deus disse a Moisés:
'Eu Sou aquele que sou'. E acrescentou:
'Assim responderás aos filhos de Israel:
'Eu sou enviou-me a vós' '.
E Deus disse ainda a Moisés:
'Assim dirás aos filhos de Israel:
'O Senhor, o Deus de vossos pais,
o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó,
enviou-me a vós'.
Este é o meu nome para sempre,
e assim serei lembrado de geração em geração.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL

Salmo - Sl 103 (102),1-2.3-4.6-7.8-11 
R. O Senhor é bondoso e compassivo.


Bendize, ó minha alma, ao Senhor,
e todo o meu ser, seu santo nome!
Bendize, ó minha alma, ao Senhor,
não te esqueças de nenhum de seus favores! 


Pois ele te perdoa toda culpa,
e cura toda a tua enfermidade;
da sepultura ele salva a tua vida
e te cerca de carinho e compaixão. 


O Senhor realiza obras de justiça 
e garante o direito aos oprimidos;
revelou os seus caminhos a Moisés, 
e aos filhos de Israel, seus grandes feitos. 


O Senhor é indulgente, é favorável,
é paciente, é bondoso e compassivo.
Quanto os céus por sobre a terra se elevam
tanto é grande o seu amor aos que o temem. 

SEGUNDA LEITURA

A vida do povo com Moisés no deserto
foi escrita para ser exemplo para nós.

 

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 10,1-6.10.12

Irmãos, não quero que ignoreis o seguinte:
Os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem
e todos passaram pelo mar;
todos foram batizados em Moisés,
sob a nuvem e pelo mar;
e todos comeram do mesmo alimento espiritual,
e todos beberam da mesma bebida espiritual;
de fato,
bebiam de um rochedo espiritual que os acompanhava
- e esse rochedo era Cristo -.
No entanto, a maior parte deles desagradou a Deus,
pois morreram e ficaram no deserto.
6Esses fatos aconteceram para serem exemplos para nós,
a fim de que não desejemos coisas más,
como fizeram aqueles no deserto.
Não murmureis, como alguns deles murmuraram,
e, por isso, foram mortos pelo anjo exterminador.
Portanto, quem julga estar de pé
tome cuidado para não cair.
Palavra do Senhor.

3º DOMINGO DA QUARESMA ANO C


24 de março de 2019


Comentário dos textos bíblicos do 3º Domingo da Quaresma Ano  C

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos, indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado. Colabora com a reflexão: Ir. Helena Ghiggi, pddm, mestre em Bíblia e escritora na Revista de Liturgia.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Êxodo 3,1-8a.13-15; Salmo 103 (102); 1 Coríntios 10,1-6.10-12; Lucas 13,1-9
O evangelho começa com o ensinamento de Jesus sobre a morte trágica dos galileus por ordem de Pilatos e pela queda da torre de Siloé. Mostra que as catástrofes não são castigos de Deus por causa do pecado, conforme a antiga concepção da doutrina da retribuição. Jesus revela o Deus da vida, que oferece a salvação de forma gratuita.  Sua palavra convida à conversão “metanoia” (em grego), a mudar a maneira de pensar e de agir, para seguir a Boa Nova da paz, da não-violência, da vida plena que vence as situações de morte. Proporciona viver conforme o desígnio salvífico de Deus, produzindo frutos, como salienta a parábola da figueira (13,6-9). Deus é paciente e espera frutos abundantes, como o vinhateiro aguarda que sua vinha ou figueira produza o máximo: Se não der, então a cortarás. Ele cuida da figueira, cava em volta, coloca adubo, para que produza frutos, razão de sua existência. Oferece os meios para o ser humano corresponder à sua graça, manifestada de modo especial no Filho Jesus.  A imagem da figueira sem frutos lembra as infidelidades do povo antigo (cf. Jr 8,13; Mq 7,1) e também a falta de acolhimento a Cristo e aos que continuam o ministério a serviço do Reino. É necessário permanecer unidos a Jesus, a videira verdadeira (Jo 15,1-17), para produzir bons frutos. Moisés acolhe o plano de Deus, que vê, ouve o grito dos oprimidos e desce para libertá-los (1ª leitura). Diante do grande desafio da missão libertadora, ele se sente confirmado pela revelação do nome de Deus, presente na vida e na história: Eu sou aquele que sou (3,14). O Senhor é misericordioso e compassivo, paciente e cheio de bondade (salmo). Paulo lembra a experiência do êxodo como apelo à conversão (2ª leitura). É preciso cooperar com a ação salvífica de Deus, manifestada na nuvem (Ex 13,21), no rochedo espiritual (Ex 17,6). 


2. Atualizando
A palavra de Jesus é apelo continuo à conversão, concretizada na atitude de serviço e entrega gratuita ao Reino. Como Moisés, possamos fazer a experiência do encontro com Deus, para sermos instrumentos de libertação, solidários com os que sofrem injustamente. 


3. A palavra de Deus na celebração
Reunidos para celebrarmos o mistério da nossa fé, acolhemos a palavra do Senhor que se revela como Deus paciente, amoroso e misericordioso. Ele vê a nossa aflição, ouve o nosso clamor e desce para nos libertar e promete-nos abundância e vida digna. Ele nos abriga em sua morada e nos alimenta com o pão da palavra e da eucaristia e nos dá a graça “de manifestar em nossa vida o que o sacramento realiza em nós”.


4. Dicas e sugestões
A cruz pode estar num lugar de destaque, ladeada por duas velas. 

Veio uma mulher da Samaria para tirar água

Dos Tratados  sobre o Evangelho de São João, de Santo Agostinho, bispo
(Tract. 15,10-12.16-17: CCL 36,154-156)(Séc. V)

 

Veio uma mulher. Esta mulher é figura da Igreja, ainda não justificada, mas já a caminho da justificação. É disso que iremos tratar.

A mulher veio sem saber o que ali a esperava; encontrou Jesus, e Jesus dirigiu-lhe a palavra. Vejamos o fato e a razão por que veio uma mulher da Samaria para tirar água (Jo 4,7). Os samaritanos não pertenciam ao povo judeu; não eram do povo escolhido. Faz parte do simbolismo da narração que esta mulher, figura da Igreja, tenha vindo de um povo estrangeiro; porque a Igreja viria dos pagãos, dos que não pertenciam à raça judaica.

Ouçamos, portanto, a nós mesmos nas palavras desta mulher, reconheçamo-nos nela e nela demos graças a Deus por nós. Ela era uma figura, não a realidade; começou por ser figura, e tornou-se realidade. Pois acreditou naquele que queria torná-la uma figura de nós mesmos. Veio para tirar água. Viera simplesmente para tirar água, como costumam fazer os homens e as mulheres.

Jesus lhe disse: “Dá-me de beber”. Os discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos. A mulher samaritana disse então a Jesus: “Como é que tu, sendo judeu, pedes de beber a mim, que sou uma mulher samaritana?” De fato os judeus não se dão com os samaritanos (Jo 4,7-9.)

Estais vendo que são estrangeiros. Os judeus de modo algum se serviam dos cântaros dos samaritanos. Como a mulher trazia consigo um cântaro para tirar água, admirou-se que um judeu lhe pedisse de beber, pois os judeus não costumavam fazer isso. Mas aquele que pedia de beber tinha sede da fé daquela mulher.
Escuta agora quem pede de beber. Respondeu-lhe Jesus? “Se tu conhecesses o dom de Deus e quem é que te pede: ‘Dá-me de beber’, tu mesma lhe pedirias a ele, e ele te daria água viva (Jo 4,10).

Pede de beber e promete dar de beber. Apresenta-se como necessitado que espera receber, mas possui em abundância para saciar os outros. Se tu conhecesses o dom de Deus, diz ele. O dom de Deus é o Espírito Santo. Jesus fala ainda veladamente à mulher, mas pouco a pouco entra em seu coração, e vai lhe ensinando. Que haverá de mais suave e bondoso que esta exortação? Se tu conhecesses o dom de Deus e quem é que te pede: ‘Dá-me de beber’, tu mesma lhe pedirias a ele, e ele te daria água viva.

Que água lhe daria ele, senão aquela da qual está escrito: Em vós está a fonte da vida? (Sl 35,10). Pois como podem ter sede os que vêm saciar-se na abundância de vossa morada? (Sl 35,9).

O Senhor prometia à mulher um alimento forte, prometia saciá-la com o Espírito Santo. Mas ela ainda não compreendia. E, na sua incompreensão, que respondeu? Disse-lhe então a mulher: “Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede e nem tenha de vir aqui para tirá-la” (Jo 4,15). A necessidade a obrigava a trabalhar, mas sua fraqueza recusava o trabalho. Se ao menos ela tivesse ouvido aquelas palavras: Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos e eu vos darei descanso! (Mt 11,28). Jesus dizia-lhe tudo aquilo para que não se cansasse mais; ela, porém, ainda não compreendia.

ORAÇÕES EUCOLÓGICAS DO 3º DOMINGO DA QUARESMA

Antífona da entrada

Tenho os olhos sempre fitos no Senhor, porque livra os meus pés da armadilha.

Olhai para mim, tende piedade, pois vivo sozinho e infeliz.


Oração do dia

Ó Deus, fonte de toda misericórdia e de toda bondade,

vós nos indicastes o jejum, a esmola e a oração como remédio contra o pecado.

Acolhei esta confissão da nossa fraqueza

para que, humilhados pela consciência de nossas faltas,

sejamos confortados pela vossa misericórdia.

Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho,

na unidade de Espírito Santo.


Sobre as oferendas

Ó Deus de bondade, concedei-nos por este sacrifício que, pedindo perdão de nossos pecados, saibamos perdoar a nossos semelhantes. Por Cristo, nosso Senhor.


Prefácio

Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso.

Para renovar, na santidade, o coração dos vossos filhos e filhas, instituístes este tempo de graça e salvação.

Libertando-nos do egoísmo e das outras paixões desordenadas, superamos o apego às coisas da terra.

E, enquanto esperamos a plenitude eterna, proclamamos a vossa glória, cantando a uma só voz:                                              
 

Antífona da comunhão

Naquele que beber da água que eu darei, diz o Senhor, brotará uma fonte que jorra para a vida eterna.

 

Depois da  comunhão 

Ó Deus, tendo recebido o penhor do vosso mistério celeste,

e já saciados na terra com o pão do céu,

nós vos pedimos a graça de manifestar em nossa vida

o que o sacramento realizou em nós. Por Cristo, nosso senhor.


Pedidos de Oração