Roteiros

3º DOMINGO DA PÁSCOA

Um caminho mistagógico à luz da Escritura e dos textos da Patrística


Roteiro:

Orientação para os internautas:
- No decorrer da semana tire um tempo para rezar e meditar.
- Se possível reserve um lugar na sua casa. Prepare o ambiente colocando um pano roxo, uma cruz, uma vela.
- Invoque o Espírito Santo.
- Retome o texto do Evangelho e da patrística ou um dos dois, de acordo com sua disponibilidade de tempo.
- Preste atenção nas palavras, nas imagens...Se recordar de outra Palavra dê atenção.
- Qual a Boa Notícia?
- Medite... O que este texto diz para você.
- Conclua com uma oração espontânea.

Obs: Caso você tenha tempo de anotar... anote o que você considera importante para o seu caminho espiritual-mistagógico.


3º DOMINGO DA PÁSCOA: 3º APARIÇÃO DE JESUS RESSUSCITADO


Evangelho - Jo 21,1-19

Naquele tempo:
Jesus apareceu de novo aos discípulos,
à beira do mar de Tiberíades.
A aparição foi assim:
Estavam juntos Simão Pedro,
Tomé, chamado Dídimo,
Natanael de Caná da Galileia,
os filhos de Zebedeu
e outros dois discípulos de Jesus.
Simão Pedro disse a eles: 'Eu vou pescar'.
Eles disseram: 'Também vamos contigo'.
Saíram e entraram na barca,
mas não pescaram nada naquela noite.
Já tinha amanhecido,
e Jesus estava de pé na margem.
Mas os discípulos não sabiam que era Jesus.
Então Jesus disse:
'Moços, tendes alguma coisa para comer?'
Responderam: 'Não'.
Jesus disse-lhes:
'Lançai a rede à direita da barca, e achareis.'
Lançaram pois a rede
e não conseguiam puxá-la para fora,
por causa da quantidade de peixes.
Então, o discípulo a quem Jesus amava
disse a Pedro: 'É o Senhor!'
Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor,
vestiu sua roupa, pois estava nu,
e atirou-se ao mar.
Os outros discípulos vieram com a barca,
arrastando a rede com os peixes.
Na verdade, não estavam longe da terra,
mas somente a cerca de cem metros.
Logo que pisaram a terra,
viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão.
Jesus disse-lhes:
'Trazei alguns dos peixes que apanhastes'.
Então Simão Pedro subiu ao barco
e arrastou a rede para a terra.
Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes;
e apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu.
Jesus disse-lhes: 'Vinde comer'.
Nenhum dos discípulos
se atrevia a perguntar quem era ele,
pois sabiam que era o Senhor.
Jesus aproximou-se,
tomou o pão e distribuiu-o por eles.
E fez a mesma coisa com o peixe.
Esta foi a terceira vez que Jesus,
ressuscitado dos mortos,
apareceu aos discípulos.
Depois de comerem,
Jesus perguntou a Simão Pedro:
'Simão, filho de João,
tu me amas mais do que estes?'
Pedro respondeu:
'Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo'.
Jesus disse: 'Apascenta os meus cordeiros'.
E disse de novo a Pedro:
'Simão, filho de João, tu me amas?'
Pedro disse: 'Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo'.
Jesus lhe disse: 'Apascenta as minhas ovelhas'.
Pela terceira vez, perguntou a Pedro:
'Simão, filho de João, tu me amas?'
Pedro ficou triste,
porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava.
Respondeu: 'Senhor, tu sabes tudo;
tu sabes que eu te amo'.
Jesus disse-lhe: 'Apascenta as minhas ovelhas.
Em verdade, em verdade te digo:
quando eras jovem,
tu te cingias e ias para onde querias.
Quando fores velho,
estenderás as mãos e outro te cingirá
e te levará para onde não queres ir.'
Jesus disse isso,
significando com que morte Pedro iria glorificar a
Deus. E acrescentou: 'Segue-me'.
Palavra da Salvação.


Texto da Patrística


Da Primeira Apologia a favor dos cristãos, de São Justino, mártir
(Cap. 66-67: PG 6,427-431) - (Séc. II)

A celebração da Eucaristia

A ninguém é permitido participar da Eucaristia, a não ser àquele que, admitindo como verdadeiros os nossos ensinamentos e tendo sido purificado pelo batismo para a remissão dos pecados e a regeneração, leve uma vida como Cristo ensinou.

Pois não é pão ou vinho comum o que recebemos. Com efeito, do mesmo modo como Jesus Cristo, nosso salvador, se fez homem pela Palavra de Deus e assumiu a carne e o sangue para a nossa salvação, também nos foi ensinado que o alimento sobre o qual foi pronunciada a ação de graças com as mesmas palavras de Cristo e, depois de transformado, nutre nossa carne e nosso sangue, é a própria carne e o sangue de Jesus que se encarnou.

Os apóstolos, em suas memórias que chamamos evangelhos, nos transmitiram a recomendação que Jesus lhes fizera. Tendo ele tomado o pão e dado graças, disse: Fazei isto em memória de mim. Isto é o meu corpo (Lc 22,19; Mc 14,22); e tomando igualmente o cálice e dando graças, disse: Este é o meu sangue (Mc 14,24), e os deu somente a eles. Desde então, nunca mais deixamos de recordar estas coisas entre nós. Com o que possuímos, socorremos a todos os necessitados e estamos sempre unidos uns aos outros. E por todas as coisas com que nos alimentamos, bendizemos o Criador do universo, por seu Filho Jesus Cristo e pelo Espírito Santo.

No chamado dia do Sol, reúnem-se em um mesmo lugar todos os que moram nas cidades ou nos campos. Leem-se as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas, na medida em que o tempo permite.

Terminada a leitura, aquele que preside toma a palavra para aconselhar e exortar os presentes à imitação de tão sublimes ensinamentos.

Depois, levantamo-nos todos juntos e elevamos as nossas preces; como já dissemos acima, ao acabarmos de rezar, apresentam-se pão, vinho e água. Então o que preside eleva ao céu, com todo o seu fervor, preces e ações de graças, e o povo aclama: Amém. Em seguida, faz-se entre os presentes a distribuição e a partilha dos alimentos que foram eucaristizados, que são também enviados aos ausentes por meio dos diáconos.

Os que possuem muitos bens dão livremente o que lhes agrada. O que se recolhe é colocado à disposição do que preside. Este socorre os órfãos, as viúvas e os que, por doença ou qualquer outro motivo se acham em dificuldade, bem como os prisioneiros e os hóspedes que chegam de viagem; numa palavra, ele assume o encargo de todos os necessitados.

Reunimo-nos todos no dia do Sol, não só porque foi o primeiro dia em que Deus, transformando as trevas e a matéria, criou o mundo, mas também porque neste mesmo dia Jesus Cristo, nosso salvador, ressuscitou dos mortos. Crucificaram-no na véspera do dia de Saturno; e no dia seguinte a este, ou seja, no dia do Sol, aparecendo aos seus apóstolos e discípulos, ensinou-lhes tudo o que também nós vos propusemos como digno de consideração.

 


Para os internautas:


Faça uma experiência de comunhão e de glorificação com o Cristo ressuscitado – via lucis

Retome o caminho dos apóstolos e discípulos que passaram da desilusão, do medo... após a paixão e a morte à alegria do encontro com o Ressuscitado – vencedor da morte.Jesus é “vida” (Jo 5,26), “ressurreição” (Jo 11,25s) e “luz da vida” (Jo 8,12).

Em resposta ao mistério angustiante da morte, a ressurreição inaugura uma espiritualidade não de tristeza e de desespero, mas de grande esperança e de otimismo realista. Ela representa a cura definitiva da fragilidade humana e cósmica. A morte não é, portanto, imortal, mas mortal; e desemboca no rio de vida que é Cristo ressuscitado.

Ao trilhar a via lucis você experimenta a espiritualidade pascal entendida como novidade de vida, testemunho, alegria, libertação, espaço de esperança e de humanidade – cosmos renovado. A espiritualidade pascal é momento interior de experiência de vida nova no Espírito de Cristo ressuscitado, e momento exterior de encarnação e irradiação da alegria e da esperança da ressurreição no dia a dia. 

Fazemos este caminho também escutando a experiência das primeiras comunidades que professam sua fé no Senhor, vencedor da morte e assume com coragem a missão dele, até o fim, até dar a vida, se necessário for. Por isso, leia também o texto proposto do livro dos Atos dos Apóstolos.

Faça o caminho pascal: a via lucis

Passe da desolação e falta de esperança, à certeza que ele está vivo, contemplamos a experiência das aparições e da profissão de fé pessoal, mas em comunidade dos discípulos e discípulas de Jesus Cristo. 
Para isso:
- No decorrer da semana tire um tempo para rezar e meditar. 
- Se possível reserve um lugar na sua casa. Prepare o ambiente colocando um pano branco, uma cruz, uma vela. 
- Invoque o Espírito Santo. 
- Retome o texto do Evangelho e da patrística ou um dos dois, de acordo com sua disponibilidade de tempo. 
- Contemple as Palavras de Jesus e preste atenção em seus gestos, ações, atitudes... 
- Jesus Conduz para o caminho da luz, da vida...

Postagens de todos os domingos da Páscoa