Roteiros

Celebrando a Profissão Religiosa

 

Marcelo Guimarães e Penha Carpanedo

 

Os monges antigos realizavam o ingresso na vida monástica com grande simplicidade e sem nenhum rito. Em geral manifestavam a vontade de perseverar até a morte com a simples tomada de hábito. Do oriente, a primeira referência de um rito de profissão monástica nos vem do Pseudo Dionísio, que viveu entre os séculos V e VI. Este rito era celebrado diante do altar e tinha como elemento importante uma invocação (epiclese) sobre o monge, além do v. 116 do salmo 118: recebe-me, Senhor, segundo a tua promessa e viverei, e não serei confundido na minha esperança. No ocidente temos um ritual de profissão, descrito na Regra do Mestre que aparece mais elaborado na Regra de São Bento, no qual o noviço promete estabilidade, conversão dos costumes e obediência, depondo tal promessa escrita sobre o altar e em seguida entoando o verso 116 do salmo 118. São ritos profundamente relacionados com o altar, indicando a relação entre a entrega de Jesus ao Pai e a oferta do monge..

A partir do século XI aparece o costume de fazer a profissão diante dos irmãos e do superior legítimo, indicando um compromisso mútuo entre o(a) religioso(a) e a comunidade. Essa modalidade se tornará caractecrística das ordens canônicas e será aceita depois por muitos outros institutos de missão itinerante, empregando os termos votos de castidade, pobreza e obediência na fórmula da profissão. Há ainda, o Rito diante do Santíssimo antes da comunhão, promovido pela Companhia de Jesus e adotado por muitos outros institutos, hoje totalmente em desuso.

A proliferação de institutos religiosos no segundo milênio multiplicaram rituais de profissão com acréscimos inspirados em alegorias discutíveis. A falta de ordenamento litúrgico a nível eclesial favoreceu a decadência do ritual da profissão, perdendo pouco a pouco a simplicidade e a objetividade dos tempos antigos.

O concílio Vaticano II determinou que fosse preparado um rito-base de profissão religiosa e de renovação dos votos que contribuísse para obter maior sobriedade e ao mesmo tempo deixasse a porta aberta para as legítimas diferenciações. Este Ordo, promulgado em 1970, inspira-se amplamente nas fontes da tradição monástica e patrística e nos documentos do próprio concílio. A inserção do rito antes do ofertório da missa, a deposição da fórmula de profissão sobre o altar e o canto recebe-me, Senhor, ressaltam a relação entre a oblação de quem faz a profissão, e a oferta de Cristo, renovada sacramentalmente sobre o altar. A fórmula da profissão, recitada “diante dos irmãos e do(a) superior (a)”, enfatiza a íntima relação da vida religiosa com o mistério eclesial cuja raiz é o batismo. A bênção ou consagração dos professos (elemento completamente novo) expressa que a pessoa profere seu compromisso por livre vontade, reconhecendo que o único protagonista deste acontecimento é o Senhor. Há ainda a rica seleção de leituras bíblicas e as demais orações que explicitam a vida religiosa como caminho de seguimento de Jesus para a edificação do povo de Deus.

Enfim, o novo ritual quer ser expressão de uma resposta de amor e liberdade ao amor esponsal  de Deus, pronunciado sobre nós no batismo, e que se concretiza na vocação e na missão que ele nos confia. De fato, o que acontece no o âmago da profissão religiosa já é inerente ao batismo, no qual aceitamos ser imersos na morte e ressurreição de Cristo (cf. Rm 6,4) para sermos testemunhas do seu reino.

Segundo o novo ritual, é aconselhável escolher, para a celebração do rito de profissão, um domingo ou uma festa do Senhor, de Maria ou dos santos e santas que se distinguiram no seguimento de Jesus. Propomos aqui o rito da profissão perpétua por ser mais completo e mais caracterizado teologicamente, em um domingo do tempo comum.

 

 

Procissão de entrada

 

A procissão dirige-se ao altar, levando a cruz processional, o círio pascal e o lecionário. Participam da procissão as (os) que vão fazer a profissão, a comunidade religiosa, os ministros e ministras que vão coordenar a celebração, enquanto se canta (cf. salmo 45):

 

De alegria vibrei no Senhor,

pois vestiu-me com sua justiça,         

adornou-me com jóias bonitas,

como esposa do rei me elevou.

 

1. Transborda o meu coração

   em belos versos ao rei,

   um poema, uma canção      

   c'o a língua escreverei:

 

   de todos és o mais belo,

   a graça desabrochou           

   em teu semblante, em teus lábios,

   pra sempre Deus te abençoou.

 

2. "Escuta, ó filha, atenção!  

   O rei de ti se encantou,

   esquece os teus, tua casa,   

   adora o rei, teu Senhor!"

 

   Lugar que foi de teus pais  

   teus filhos vão ocupar,

   herdeiros do teu poder

   a terra vão governar...

 

 

Sinal-da-cruz

 

Saudação 

 

Acolhida e sentido da celebração

O(a) animador(a), com breves palavras, acolhe as pessoas, os familiares,  introduz o sentido da celebração, podendo fazer uma memória do caminho percorrido no tempo de preparação para os votos.

 

Oração e aspersão da água (no lugar do ato penitencial)

(O presidente dirige-se à fonte batismal ou uma bacia com água é apresentada a ele.)

 

Irmãos e irmãs, neste dia em que estas irmãs (ou irmãos) retomam de forma mais profunda o seu batismo, bendigamos ao Deus da vida por esta água  e peçamos que ele renove em nós a graça do santo batismo.

 

Todos rezam em silêncio. O(a) coordenador(a) conclui:

 

Bendito sejas Deus da vida por esta água na qual fomos renascidos para uma vida nova em Jesus Cristo.

Sendo aspergidos por esta água, renova em nós a nossa consagração batismal e faze de toda a nossa vida uma fonte de vida e de amor. Por Cristo, nosso Senhor! Amém!

 

(O presidente e os ministros aspergem os presentes com água benta. Durante a aspersão, canta-se a seguinte aclamação –

 

Banhados em Cristo somos u’a nova criatura.

As coisas antigas já se passaram,

somos nascidos de novo.

Aleluia! Aleluia! Aleluia! (bis)

 

Glória

 

Oração inicial

 

Ó Deus, bendito sejas porque neste santo domingo nos reúnes como povo a ti consagrado. Confirma estas tuas filhas na graça batismal para que respondendo com generosa acolhida ao teu chamado, sejam fiéis no seguimento de Jesus em perfeita caridade, e no serviço perseverante do teu reino. Por Cristo nosso Senhor.

 

Primeira Leitura

As leituras podem ser tomadas da missa do dia, ou dos textos propostos pelo rito de profissão:

 

Ct 2,8-14 (Levanta-te, minha amada e vem); Ct  8,6-7 (O amor é forte como a morte); Is 61,9-11 ( Exulto de alegria no Senhor); Os 2,16.21-22 (Eu te desposei para sempre)

 

Salmo de resposta (salmo 63 – melodia: Hinário CNBB, fasc. 3, p. 149 ou cf. também p.143)

 

A minha alma tem sede de vós

e vos deseja, ó Senhor.

 

És tu, ó Senhor, o meu Deus!

desde a aurora ansioso te busco!

A minh´alma tem sede de ti,

como a terra sedenta e sem água!

Venho, assim, contemplar-te no templo,

para ver tua glória e poder.

 

Teu amor vale mais do que a vida:

e por isso meus lábios te louvam,

quero assim, te louvar pela vida

e elevar para t minhas mãos!

A minh’alma será saciada

como em grande banquete de festa.

 

Ou: (Cf. Cântico dos Cânticos. Versão de Valério Cipri e Antônio Mancuso)

 

A voz do meu amado! Eis que vem de longe.

Espia pelas grades, espreita da janela.

Eu sou de meu amado, meu bem é todo meu!

O seu amor em mim, ninguém jamais apaga!

 

Vem, amada minha, em querida vem!

O inverno já passou e as vinhas em flor.

Exalam seus perfumes, vem querida vem!

 

Na noite escura eu busco, a quem minh’alma ama,

desceu no seu jardim, fez sua morada.

As pétalas do orvalho cobrindo tua cabeça:

és belo, meu amado, teu vinho me embriaga!

 

Segunda leitura

Fl 3,8-14 (Considero tudo como lixo, para ganhar a Cristo); Cl 3,12-17 (Amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição); I Cor 9,16-23 (Ai de mim se eu não anunciar o evangelho).

 

Acalamação ao evangelho

Aleluia, seguido de um verso tirado do evangelho escolhido, por exemplo:

 

Evangelho

Mt 16,24-27 (Quem perder a sua vida por causa de mim vai encontrá-la); Mt 25,1-13 (O noivo está chegando); Mteus 28,1-10 (Ide anunciar aos meus irmãos).

 

Pedido

Proclamado o evangelho, o presidente e o povo sentam; 0s(as) professandos(as) ficam de pé. Um(a) dos(as) professando(as)  faz à em nome de todas, o seguinte pedido:

 

Irmã (N), irmã (N) nós, (NN), pela bondade de Deus, após estes anos de experiência na vida e missão desta família, desejamos e pedimos um engajamento definitivo, para o louvor de Deus e a serviço da Igreja.

 

As irmãs da congregação respondem:

T: Graças a Deus!

 

Diálogo

Os(as) professandos(as) ficam de pé, quem preside pergunta:

 

O Senhor em sua misericórdia, já pelo batismo, escolheu e consagrou vocês para ser na Igreja, um sinal vivo da presença e do amor dele por toda a humanidade. Agora eu lhes pergunto: Vocês querem buscar unicamente a Deus, sem nunca desanimar, segundo a Regra de vida desta família religiosa?

- Quero.

 

Vocês querem seguir Jesus com perseverança, procurando a perfeição do amor, a obediência e a pobreza, como ele viveu e ensinou?

- Quero.

 

Vocês querem assumir publicamente o compromisso de escutar com assiduidade a Palavra de Deus, em contínua conversão de vida?

- Quero.

 

Vocês querem, com o auxílio do Espírito Santo, dedicar toda a sua vida a serviço do povo de Deus?

- Quero.

 

Deus que inspirou em vocês este bom propósito, dê a cada uma, a graça de realizá-lo, na esperança da vinda do Senhor.

 

T: Amém.

 

Ladainha das santas testemunhas

Todos se levantam, quem preside faz o convite:

 

Irmãos e irmãs, invoquemos as santas testemunhas do evangelho: que roguem a Deus por estes irmãos, por estas irmãs que hoje vão se consagrar, por nós e por todas as Igrejas cristãs.

 

O diácono, ou animador(a) convida todos a ajoelhar-se. Segue o canto da ladainha por um(a) solista ao qual todos respondem. Depois de um momento de silêncio, os(as) cantores(as) entoam:

 

Senhor, tem piedade de nós! Senhor, tende piedade de nós!

Cristo, tem piedade de nós! Ó Cristo, tende piedade de nós!

Senhor, tem piedade de nós! Senhor, tende piedade de nós!

 

Abraão, nosso pai na fé, ora por nós!

Moisés, amigo de Deus e grande intercessor...

Pais e mães de Israel, portadores da promessa...

João Batista, amigo do Esposo...

Maria, virgem e mãe do Senhor...

José, pai adotivo de Jesus...

Pedro, rocha da Igreja de Cristo...

João, discípulo amado do Senhor...

Paulo, missionário do amor de Cristo entre as nações...

Maria Madalena, primeira anunciadora da ressurreição...

Vós, mulheres que seguistes Jesus até à morte...

Santos apóstolos que ouvistes, vistes e tocastes o Verbo da Vida...

Santos evangelistas que conservastes e difundistes o evangelho...

Santos discípulos que seguistes o Cristo em sua vida...

Estevão, primeiro mártir cristão...

Inácio, trigo de Cristo, esmagado e feito pão...

Lourenço, diácono perfeito no martírio...

Basílio, grande pai da Igreja e da vida comunitária...

Agostinho, cantor da graça de Deus...

Bento, pai do humano e do divino serviço...

Francisco, pobre de Cristo na perfeita alegria...

Clara, grande testemunho do radicalismo do evangelho...

Bartolomeu de las Casas, anunciador da dignidade dos povos indígenas...

Hélder Câmara, testemunho de paz e justiça...

Mártires da América Latina

Todos os santos e santas de Deus...

 

Ó Senhor, sê a nossa salvação, ouve-nos, Senhor!

Pela tua encarnação...

Pela tua morte e ressurreição...

Pelo Espírito Santo consolador...

Para que seja santificada a tua Igreja,

Para que seja iluminado o papa, nosso bispo e todos os pastores e pastoras

Para que renoves nos religiosos e religiosas a consagração que lhes deste

Para que sejam abençoados(as) e consagrados(as) estes(as) teus filhos(as)

 

Que vivam na escuta e na prática da palavra de Deus. Amém.

Que sejam apegados(as) à oração

Perseverantes na conversão

Dedicados no serviço do reino

Renova toda a Igreja no Evangelho...

Congrega as Igrejas para o Reino...

 

Jesus Cristo, ouve-nos!

Jesus Cristo, atende-nos!

 

Depois, o(a) coordenador(a) reza:

 

Atende, Deus santo, clemente e fiel, as preces do teu povo. Acompanha pela força da tua graça estes(as) irmãos(ãs) na missão que lhe confiaste. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Profissão

Seria significativo proferir a forma de profissão na pia batismal, para expressar simbolicamente que a profissão religiosa é radicalização do batismo.

 

 

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, eu (N...), movido(a) pelo Espírito Santo no qual o Pai me consagrou pelo batismo, quero livremente consagrar-me a Deus, através dos votos de castidade, pobreza e obediência que faço por toda a vida, diante de vocês irmãos e irmãs, e em tuas mãos Irmã (N) ou e.(N)

segundo a Regra de vida de  (N do instituto).

 

Prometo viver como discípulo(a) de Jesus, no exercício paciente do amor fraterno, e no empenho de construir com toda a humanidade um mundo de paz, de justiça em defesa da criação. Comprometo-me a desempenhar, em união de espírito e de ação com minhas irmãs (meus irmãos) o ministério confiado à nossa congregação a serviço do Povo de Deus, a exemplo de Maria, e do nosso Pai (ou mãe) fundador(a).

 

Consciente de que esta não é obra minha, mas de Deus, confio-me inteiramente à sua misericórdia.

 

Quem recebe os votos, diz:

 

E eu, pelo ministério a mim confiado, recebo, em nome da Igreja, a tua oferta como dom de Deus à nossa comunidade, e peço que Ele mesmo complete aquilo que iniciou em você, através de Jesus Cristo, seu Filho, na ação oculta e santificadora do seu Espírito Santo.

 

Cada  professo(a), coloque a carta sobre o altar após ter recitado a fórmula, indicando a relação da sua oferta com a de Cristo. Terminando esta parte, cantam a antífona que segue repetida pelas irmãs ou irmãos presentes:

 

Recebe-me Senhor, segundo a tua promessa e viverei

E não serei confundida na minha esperança.

 

Bênção solene – Cf. Ordo, n. 72

 

- Prece de consagração:

Os(as) professos(as) ajoelham-se e quem preside diz a oração que segue:

 

É prazer para nós, ó Deus, louvar-te e agradecer-te por que és santo e porque te revelaste amigo da humanidade.

Com os patriarcas firmaste uma aliança e a teu povo cativo no Egito deste a liberdade, enxugando seu pranto quando peregrinava pelo deserto. Embora pequeno e frágil, fizeste com ele uma aliança de amor; e sem levar em conta as suas infidelidades renovaste a tua aliança com amor eterno, gravando tua lei em seu coração.

E ao chegar a plenitude dos tempos, Enviaste teu filho, nascido de Maria, a Israel fiel, por graça do teu Espírito Santo. Ele, tornando-se o esposo de uma nova e eterna aliança, amou até o fim, obediente à tua vontade, recebeu de ti, glória e poder e nos associou a si pela água e pelo Espírito.

 

Hoje ressoe em tua casa um cântico novo porque Estes teus filhos, (ou filhas), ouvindo o teu chamado, são por ti consagrados, como servidores(as) do teu reino.

 

Nós te pedimos, derrama sobre eles (elas) o teu Espírito de santidade. Que resplandeça em suas vidas a face do teu Cristo, de modo que o seu testemunho edifique a igreja. Faze que, de coração liberto, assuma as preocupações dos irmãos e irmãs, socorrendo os aflitos, amando os que sofrem. E que, no meio das contradições deste mundo saibam discernir os sinais da tua presença. Assim, pela doação da sua vida, apressem no mundo o teu reino, até que venha Jesus Cristo, nosso Salvador. Amém.

 

Entrega de símbolo

 

A aliança ou outro sinal da consagração, é entregue, conforme o costume da família religiosa:

 

Hoje, confirmamos a inserção de vocês em nossa família, mais do que nunca vocês terão tudo em comum conosco, na missão que Deus nos confia.

 

O presidente convida para saudação da paz, todas as irmãs acolhem as professas com o abraço da paz, enquanto se canta: versos do salmo 84:

 

O passarinho encontrou

 agasalho pra seus pequeninos,

 o teu altar, ó Senhor,

 é abrigo pros teus peregrinos!

 

   Como é boa a tua casa,

   como é bom morar contigo,

   por ti suspira a minh'alma,

   meu coração, ó Deus vivo!

 

   Bem felizes os que moram

   no limiar de tua casa,

   os que em ti se apoiam

   celebrarão tua graça!

 

Apresentação das oferendas

As(os)  professas(os) podem fazer o serviço de acolitas(os), levando as oferendas e preparando o altar para a santa ceia. Usar pão em vez de hóstia e providenciar vinho para todos.

 

Oração eucarística III

Mencionar as professas no momento das intercessões, acrescentando depois das palavras  “o povo que conquistastes”: fortalecei em seu santo propósito estas nossas irmãs que hoje se consagraram em vosso serviço.

 

Fração do pão - Enquanto o pão consagrado é partido e o vinho preparado para a comunhão, se canta enquanto durar o gesto, o canto “Cordeiro de Deus...”.

 

Comunhão – sob as duas espécies Canto - Efésios 1,3-10

 

Bendito seja Deus,

Pai do Senhor, Jesus Cristo,

por Cristo nos brindou

todas as bênçãos do Espírito.

 

1. Pois juntamente com Cristo,

antes de o mundo criar,

Deus já nos tinha escolhido

a fim de nos consagrar.

 

De amor oferta sem mancha;

para adoção destinou,

seus filhos somos por Cristo,

De sua graça o louvor.

 

2. Pois sobre nós esta graça,

conforme havia traçado,

Deus, nosso Pai derramou

pelo seu Filho amado,

 

Que com seu sangue consegue

para nós a libertação,

a remissão dos pecados,

graça sem comparação!

 

3. Sim, derramou sobre nós

graça abundante e saber,

nos revelando o Mistério,

plano do seu bem-querer,

 

De conduzir a história

à plena realização:

Cristo encabeça o universo

terras e céus se unirão!

 

Oração pós-comunhão

 

Ó Deus, nós te bendizemos pela alegria desta refeição e pelo amor que derramastes sobre estes(as) nossos (as) irmãos(ãs). Guiados pelo Espírito, tenhamos a graça de viver como teus consagrados, Na alegria do amor fraterno e no serviço do teu reino. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Despedida:

Que Deus, fonte de todo bom desejo, confirme o propósito de vocês e fortaleça seus corações na fidelidade àquilo que hoje prometeram. Amém

 

P: Que ele lhe conceda percorrer com perseverança o caminho que escolheram, levando com alegria os fardos dos seus irmãos e irmãs. Amém.

 

P: Que a caridade de Deus faça de vocês uma família unida, imagem visível do amor de Cristo. Amém.

 

Dirigindo-se à assembléia:

 

E a todos vocês, aqui reunidos, desça a bênção do Pai e do filho e do Espírito Santo. Amém.

 

 

 

Penha Carpanedo faz parte da congregação das Pias Discípulas do Divino Mestre. Coordena o trabalho de redação desta revista, tem mestrado em liturgia, é membro da Rede Celebra e atua na formação dos animadores e animadoras da liturgia.

 

*Marcelo Resende Guimarães é presbítero da Diocese de Santa Cruz do sul –RS, assessor em liturgia nas comunidades eclesiais de base, membro da Rede Celebra, com doutorado na área de educação sobre o tema Educação para a paz.

 

 

Textos consultados:

 

Martimort, 1991: MARTIMORT. A. G.  Os sacramentos; a Igreja em oração, vol. 3. Petrópolis. Editora Vozes, 1991.

 

Anamnesis v. 6, 1993: AUGÉ, Matias. Profissão monástica e religiosa. In: VV.AA. Os sacramentos e bênçãos. São Paulo: Ed. Paulinas, 1993.

 

Bianchi, enzo, 1985: BIANCHI, enzo, Il mantello di Elia: itinerário spirituale per la vita religiosa. Magnano: Edizioni Qiqajon, 1985.

 

Barros,  Marcelo 1993: BARROS,  Marcelo Na estrada do Evangelho: leitura comunitária e latino-americana da Regra de São Bento. Petrópolis: Vozes, 1993,